Centro de Vida Independente Araci Nallin.

eXTReMe Tracker

Ricardo Ferraz.

 

Foto de Ricardo Ferraz
Ricardo Ferraz na Reatech 2007.

O cartunista Ricardo Ferraz, nascido em 1952, é daqueles que transformam sonhos em realidade. Aos cinco anos, teve poliomielite, o que o deixou privado em uma cama, sem contato com crianças de sua idade. Descobriu no desenho um ótimo passatempo. Com dedicação e amor a essa arte, rabiscava em papel de embrulhar pão. Hoje, seus cartuns são conhecidos em âmbito nacional e internacional.

Começou a trabalhar na infância engraxando sapatos, de agitador cultural a diretor de penitenciária, fez de tudo um pouco. Militante de movimentos populares, foi um dos fundadores da Associação Capixaba de Pessoas com Deficiência (ACPD), onde encontrou um fonte inesgotável para enfocar a questão por intermédio de seus cartuns.

Conquistou a mídia ao assinar uma vinheta na programação da Rede Globo pelo segundo ano consecutivo, resultado de concursos realizados pela emissora. Teve seus trabalhos exibidos na programação do SBT, em campanha do Teleton, em prol da AACD.

Professor de desenho artístico na cidade de Cachoeiro de Itapemirim (ES), Ricardo acredita que a "arte remove montanhas" e sonha com uma sociedade mais justa e igualitária.

CVI AN: Como você conseguiu contato com a Rede Globo e SBT?

Ricardo Ferraz: Desde 1981, venho abordando a problemática das pessoas com deficiência através do cartum um canal de comunicação para denunciar a violência do preconceito e sensibilizar a sociedade sobre a questão. Uma exposição itinerante sob o título "Visão e Revisão, Conceito e Pré-Conceito", percorre todo o país e exterior, mostrando de forma crítica e humorada situações concretas do dia-a-dia das pessoas com deficiência e suas barreiras físicas e humanas.

Em 2001 a Rede Globo promoveu em nível nacional, um concurso para profissionais e amadores para selecionar projetos para as vinhetas eletrônicas, conhecidas como Plin-Plim. Tive a idéia de levar o tema para a TV. Um sonho quase impossível, competindo com os "feras" do cartum e charge do país.

Numa simples mesa de cozinha, rabisquei em papel A-4 um "history-board".
Imaginei dois cadeirantes em frente a uma escada, eles têm uma idéia, puxa a escada em forma de linha e transforma em rampa que também vai beneficiar as mães com carro "baby", idosos e crianças. Na época não se falava em acessibilidade e desenho universal.

Com a cara e coragem, enviei o projeto via correio. Para minha surpresa, fui informado pela Globo, por telefone que minha idéia tinha sido aprovado entre os trinta melhores do país. A vinheta foi um marco na história, a primeira a abordar a questão da acessibilidade em nível nacional e internacional. Tive a sorte de ter mais duas vinhetas selecionadas em 2002 e 2005, totalizando três projetos vitoriosos.

A minha participação no TELETON do SBT, foi o resultado da ampla divulgação do meu trabalho na mídia. Recebi o convite através da jornalista responsável pelo programa, Flávia Cintra, também cadeirante e militante do movimento. Graças ao meu lado "quixotesco", hoje os cartuns temáticos são conhecidos no Brasil e no mundo, ilustrando livros didáticos conhecidos no Brasil e no mundo, ilustrando livros didáticos entre outros.

Veja alguns cartuns criados por Ricardo Ferraz. Clique nas imagens para ampliá-las.

Pedindo informação.
Oportunidade.
Porta de banheiro.

 

Pensamento:

"Que mundo é esse em que vivemos... onde é mais fácil quebrar o núcleo de um átomo do que um preconceito".

Albert Einstein